Equipe

O OFFCINE 20 É UM PROJETO DA REALIZADORA MARINA AZZE, EXECUTADO COM RECURSOS DO FUNDO ESTADUAL DE CULTURA. PROTOCOLO N- 2019.1904.0087/FEC.
 
COM APOIO DA MAZ ASSOCIAÇÃO ARTISTICA, 4 HANDS PRODUÇÕES, RETICÊNCIAS FILMES E VRS PRODUÇÕES.

EQUIPE:

MARINA AZZE - PRODUTORA EXECUTIVA

VITÓRIA RACIANE - PRODUÇÃO E ASSESSORIA 

MARCELO CESAR - PRODUÇÃO

LUCAS MARQUES - PLATAFORMA DIGITAL

LUCIANO SANTANA - ASSESSOR DE IMPRENSA
VICTOR REIS - GESTÃO FINANCEIRA

OFICINEIROS CONVIDADOS: IVANN WILLIG, VIC KINGS, MARCELO CESAR, MARINA AZZE, ELISA ALEVA.

Depoimentos

DEPOIMENTOS DE INTEGRANTES DA EQUIPE DE PROFISSIONAIS RESPONSÁVEIS PELO SUCESSO DA TERCEIRA EDIÇÃO DO OFFCINE:
   
"Produzir o Offcine é sempre uma alegria. Poder assessorar a Marina em cada etapa do projeto, dá muito trabalho mais é sempre especial. Coordenar as equipes, alinhar os prazos, atender as demandas que aparecem exige uma flexibilidade maravilhosa. O carro chefe do Offcine sempre foram as oficinas. Aliás, o festival só começou a acontecer para que os alunos do projeto tivessem acesso ao cinema independente. Na primeira edição as vagas lotaram, na segunda edição elas triplicaram e tivemos alunos de todo sul de Minas. Nesta terceira, por ser online, estávamos muito preocupados em como trazê-los, devido ao excesso de eventos. Mas investimos muito na divulgação, fechando parceria com outros festivais: programamos 30 vagas e tivemos 251 alunos inscritos do Brasil inteiro. Dobramos nossa capacidade e atendemos 70 alunos de norte a sul do país, diretamente de uma cidade que há pouco nem sala de cinema tinha. Foi emocionante vivenciarmos esse encontro. Tivemos alunos de diversas idades e entre os iniciantes, selecionamos artistas profissionais para que o aprendizado e a troca de experiências fossem ainda mais importantes." Relata Vitória Raciane, produtora e assessora responsável pela organização das oficinas. 

"De repente o cinema independente rompeu barreiras. Estávamos acostumadas a receber as pessoas durante uma semana nas salas presenciais e nos deparamos com acessos na nossa plataformas em horários diversos, que jamais conseguiríamos atender se fossem presenciais. De repente, o Offcine levou o cinema independente para casa das pessoas. Sinto muita falta do contato ao vivo com os realizadores, de encher o sul de MG, lotar os hotéis, poder mostrar o potencial turístico de Varginha para outros cineastas. Sempre pensei na possibilidade de trazê-los para filmarem aqui, na nossa região, movimentando o comercio e a economia local. A oportunidade do online, num momento onde a arte foi tão devastada por conta da pandemia, nos fez desenvolver novas expertises. Quem sabe no futuro o Offcine se torne híbrido? O importante é mantermos a janela aberta para o cinema independente." Descreve emocionada, Marina Azze, a realizadora do festival. 

"Quando Marina me procurou para realizar a plataforma de streaming do Offcine, estávamos no auge da pandemia. Eu realizo outros festivais e sabia que poderia atende-lo com todas características peculiares que possui. Com a votação online; tantas categorias de filmes e um júri composto de inúmeras pessoas, foi desafiador controlar a plataforma, desenvolver uma interface que fosse intuitiva para que não perdêssemos o público. Desafiador, mas muito rico finalizarmos o festival, fluindo tão organicamente e atingindo tantos acessos, mesmo com tão poucos recursos de investimento. Marina é criativa e nos possibilita trabalhar espontaneamente na resolução dos obstáculos que surgem ao longo do processo. Foi uma experiência marcante que certamente coloca nossa empresa Reticências em outro patamar." Lucas Marques, diretor da Reticencias, empresa realizadora da plataforma de streaming.

"Acompanho o Offcine desde a primeira edição, quando na época, nem parte da equipe eu era. Fui participar com um filme e me apaixonei pelo trabalho primoroso que a Marina estava fazendo a favor do cinema independente brasileiro. Pude acompanhar as oficinas e posso garantir que o projeto cresce a cada ano. É lindo ver alguns alunos voltando com mais experiências. A possibilidade do online fez com que alunos veteranos do projeto tivessem a oportunidade de conhecer alunos artistas do país todo e dividirem os mesmos desafios, encorajando ainda mais as produções e coproduções entre os estados. Eu sempre fico encantado pelo júri ser composto de profissionais que estão com seus filmes na mostra e, por profissionais que já venceram outras edições do festival, fazendo com que todo o festival se interaja, conecte, e se conheça através de seus filmes. Os realizadores acabam ficando “obrigados” à assistirem filmes de diferentes lugares e linguagens ampliando seu olhar sobre a arte cinematográfica brasileira. Eu era admirador do Offcine antes de trabalhar nele, agora estou me sentindo orgulhoso em poder participar desse movimento tão especial que o festival faz." -Marcelo Cesar - produtor e ministrante da oficina de contrapartida.

 

"Participo desde a primeira edição do Offcine com meus filmes. Ser convidado neste, para poder trocar minhas experiências com os alunos foi sensacional. Me surpreendi! Vi entre eles, artistas com tanta experiência e nome no mercado, dividindo dúvidas com alunos que estão dando os primeiros passos no fazer cinematográfico. Marina realmente movimenta multidões com esse festival. Ele é diverso, democrático e gerador de futuros talentos. Agora, como professor, está sendo uma honra poder participar do festival." Ivann Willig - ministrante de oficina de contrapartida.

“Importante um festival se preocupar no compartilhamento de técnicas cinematográficas, principalmente sendo no interior do estado, assim o púbico também começa a conhecer mais de cinema e ver as obras com um olhar criterioso. Talvez esse movimento todo que o Offcine faz com a comunidade sul mineira, lotando as salas de exibições como foi na segunda edição, e agora esse recorde de acessos na plataforma de streaming ampliando para o país todo, por conta dessas oficinas que o festival traz. Costumamos frequentar outros festivais do país e, essa interseção entre público, filmes e realizadores acontece de forma espetacular no Offcine. Evento este que cresce cada vez mais, deve ser reconhecido e agraciado. Uma experiência fantástica que gostaria de continuar vivenciando nas próximas edições."  Vic Kings - ministrante de oficina de contrapartida e administrativo financeiro.

"O que o Offcine tem feito pelo Sul de MG é maravilhoso! A poucos anos, nem sala de cinema em Varginha tinha. Esse movimento de festival, oficinas, debates, filmes produzidos tem feito a cidade se transformar em polo cinematografico. Aliás nao só a cidade pq acabaram envolvendo a região toda, e hoje se encontra produções locais, festivais, grupos de cinema se espalhando do interior para os grandes centros do país. Eu adorei ter ministrado as oficinas. Fazer parte desse projeto realiza qualquer cineasta."- Elisa Aleva- Ministrante de Oficina de Contrapartida.